Polícia

SÃO JOSÉ DA LAPA » Presos por acaso Delegado vai até casa de testemunha de estupro e, no local, acaba flagrando três jovens preparando drogas para venda. Trio foi detido

Andréa Silva

Publicação: 06/02/2014 04:00

Três jovens de São José da Lapa, Grande BH, foram detidos em flagrante enquanto preparavam drogas para comercializar nas bocas de fumo da cidade. A prisão dos amigos Jonathan Pacheco Rolim, de 23 anos, o Demorô; Wesley Augusto de Souza, de 20, o Boca; e Pedro Henrique Nascimento, 19, o Nego, aconteceu por acaso. A Polícia Civil estava à procura de um adolescente de 15 anos, testemunha de um crime de estupro ocorrido no município no fim de semana, e quando chegou na casa onde o jovem mora, no Bairro Dom Pedro I, surpreendeu os três rapazes deitados na sala cortando uma barra de maconha de cerca de um quilo.

O delegado Daniel Baltazar da Silveira Schindler Coutinho disse ontem, durante apresentação dos suspeitos, que o trio estaria comandando bocas de fumo do bairro Dom Pedro I, desde a prisão, em 18 de dezembro, de Rodmar Balbino Leonardo, o Gugu, apontado como chefe do tráfico local.
De acordo com o policial, enquanto chefiava o comércio de drogas da região, Gugu autorizava que os outros vendessem apenas maconha em sua área de atuação. Com a ida do criminoso para trás das grades, os pequenos comerciantes de entorpecentes, entre eles os três rapazes, resolveram expandir seus “negócios” e passaram a oferecer outras opções, como crack e cocaína.

Jonathan Rolim, Souza e Nascimento foram presos em flagrante anteontem. Foi o adolescente de 15 anos, testemunha do estupro, que atendeu o chamado na porta do delegado Daniel Baltazar Coutinho. Os amigos dele não tiveram nem tempo de interromper o que estavam fazendo. A reação do policial ao deparar com a cena foi imediata. Ele conta que, por instinto, já sacou a arma e deu voz de prisão ao grupo.

INSTINTO

“Demorei uns 30 segundos para entender o que estava acontecendo. Mas instintivamente peguei minha arma e mandei todos se levantarem com a mão na cabeça. Os rapazes também levaram o maior susto e não esboçaram qualquer reação”, disse Coutinho.

Segundo ele, além da maconha foram aprendidos na casa 26 pedras de crack, três armas – um revólver calibre 38, um calibre 32 e uma garrucha de fabricação artesanal –,balança de precisão, material para o manuseio e embalo das drogas, dinheiro, além de celulares e relógios, possivelmente recebidos de usuários dos entorpecentes como moeda de troca.

“De imediato, o Jonathan assumiu a propriedade de todo o material. Os outros dois rapazes tentaram alegar que não tinham qualquer ligação com o tráfico, disseram que estava na casa por conta de um desacerto com uma moto, mas eles também foram flagrados preparando a droga”, falou o delegado. O trio será indiciado por tráfico e associação ao tráfico e Jonathan também irá responder por corrupção de menor.

Sobre o crime de estupro, que teria sido cometido por um amigo do adolescente, o delegado não quis dar muitas informações, por causa das investigações que ainda estão em andamento. Sabe-se que a vítima tem 15 anos e é portadora de deficiência mental.

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.