Esportes

COPA DO BRASIL » Rival sem mistério Mano Menezes conhece o jeito que o Corinthians joga: ele implantou o esquema que se mantém até hoje. Agora, terá de fazer o Cruzeiro voltar a ser eficiente no ataque

Paulo Galvão

Publicação: 09/10/2018 04:00

No confronto contra o Corinthians que vai decidir a Copa do Brasil de 2018, a filosofia do técnico Mano Menezes vai falar alto. Afinal, o atual comandante do Cruzeiro implantou no time paulista o esquema que prioriza a marcação e que foi replicado em outras equipes que dirigiu posteriormente, inclusive na própria Raposa.

Desde que assumiu a equipe paulista, no fim de 2007, ele se preocupou em acertar o time defensivamente. Com isso, chegou à final da Copa do Brasil de 2008, na qual foi derrotada pelo Sport, e se sagrou campeão da Série B do Campeonato Brasileiro. Em 2009, voltou a decidir o torneio mata-mata, conseguindo finalmente o sonhado título.

Naquele ano, o time tinha uma estrutura tática parecida com a do Cruzeiro atual. O time-base corintiano tinha Felipe; Alessandro, Chicão, Willian e André Santos; Cristian, Elias e Douglas; Jorge Henrique, Ronaldo e Dentinho, variando entre um 4-2-3-1 e o 4-3-3. Agora, o Cruzeiro joga com Fábio; Edílson, Dedé, Leo e Egídio; Henrique, Lucas Silva e Thiago Neves; Robinho, Barcos e De Arrascaeta, que não poderá atuar nesta primeira partida por estar servindo à Seleção Uruguaia, devendo dar lugar a Rafinha.

O bom trabalho no Corinthians credenciou Mano Menezes a assumir a Seleção Brasileira depois da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, permanecendo por pouco mais de dois anos. Em seu lugar, Adilson Batista assumiu o Timão, mas logo foi substituído por Tite, que manteve o padrão de organizar o time a partir da defesa.

Em 2013, assumiu o Flamengo e montou o time que acabou campeão da Copa do Brasil, sob o comando de Jaime de Almeida. Mano saiu por não concordar com algumas decisões da diretoria rubro-negra e voltou a comandar o Corinthians em 2014, sendo sucedido justamente pelo antecessor no cargo, Tite.

O treinador assumiu o Cruzeiro pela primeira vez em 6 de setembro de 2015 e ajudou o time a fazer a melhor campanha do segundo turno, ao lado justamente do Timão. Uma proposta milionário clube chinês Shandong Luneng o impediu de dar sequência ao trabalho.

Voltou à Toca da Raposa II em julho de 2016, quando novamente a equipe fez campanha de recuperação no Nacional. Em 2017, pela primeira vez comandou pré-temporada e pôde auxiliar a diretoria na contratação de reforços. Assim, acabou campeão da Copa do Brasil, batendo o Flamengo na final.

Este ano, como o treinador há mais tempo no cargo entre os principais clubes do Brasil, ele já conquistou o título mineiro. E agora vai em busca de mais um título da Copa do Brasil, que seria o terceiro na carreira.

Já no adversário, Fábio Carille conseguiu sucesso justamente mantendo o padrão tático iniciado por Mano e seguido por Tite. Osmar Loss fez o mesmo e agora Jair Ventura repete, até porque foi assim que levou o Botafogo ao quinto lugar do Brasileiro de 2016, garantindo vaga na Libertadores de 2017.

POUCOS GOLS Agora, Mano Menezes tentará antídoto para o veneno que ele ajudou a criar há 10 anos. Para isso, tentará fazer o Cruzeiro não só seguir sólido defensivamente, mas também mais eficiente no ataque.

Nos últimos 16 jogos, fez apenas 13 gols, média de 0,81 por jogo. Nesse período, apenas duas vezes marcou mais de uma vez, nas vitórias por 2 a 1 sobre Fluminense e Santos, ambas pelo Brasileiro.

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.