Esportes

BRASILEIRO » Hora da virada Na zona da degola e sem vitórias, Galo recebe o Avaí para tentar engrenar e mostrar que pode ser visto como um dos cotados ao título

Roger Dias

Publicação: 07/06/2017 04:00

Com um dos grupos mais caros do país, seria difícil imaginar que o Atlético teria começo de Campeonato Brasileiro longe das expectativas iniciais. Ainda sem vencer depois de quatro jogos, o time de Roger Machado tropeçou nos próprios erros e vê os líderes se distanciarem na classificação a cada rodada. Desta forma, a equipe entra sob pressão contra o Avaí hoje, às 19h30, no Independência, na expectativa de deixar a zona de rebaixamento e começar a embalar.

Assim como a campanha no Brasileiro de 2004, o desempenho do Galo em 2017 em quatro rodadas já é o pior na era dos pontos corridos. A realidade é que o nível de produção do Galo não tem sido o mesmo do início da temporada, quando a equipe foi campeã mineira. Na visão do grupo, o empate sem gols com o Palmeiras, em São Paulo, na última partida, até foi considerado bom resultado, mas o resultado prejudicou os mineiros no projeto de alcançar os primeiros colocados até a 10ª rodada.

Apesar da diferença nas folhas salariais de Atlético e Avaí, os jogadores alvinegros mantém o respeito ao adversário desta noite: “Todos os jogos são decisivos e importantes. Tenos que respeitá-los, igual fizemos contra Flamengo e Palmeiras. Dentro de campo, são 11 contra 11 e não dá para escolher adversário. Mas um time que quer brigar pelo título não pode perder tantos pontos, sobretudo em casa”, afirma o atacante Robinho, que até agora não rendeu o esperado no Brasileiro, tendo marcado um gol em quatro jogos.

O lateral-esquerdo Fábio Santos alerta sobre a marcação forte das equipes menores quando atuam como visitante: “Elas sabem disputar o Brasileiro e se defendem bem fora de casa. E nós temos de manter o padrão a todo jogo, o que se torna difícil com a sequência grande no Brasileiro. Mas ainda tem muito a acontecer e sem dúvida estaremos à frente no fim do ano”.

DESGASTE

Roger Machado e toda a comissão técnica tem se preocupado com o desgaste da equipe. Fábio Santos, por exemplo, vai para o 15º jogo consecutivo e tem reclamado constantemente de cansaço. A atividade de ontem foi mais leve, com um treino físico e jogadas de bolas paradas. A tendência é que o treinador diminua a carga de atividades pra não correr risco de perder mais jogadores – já estão fora Leonardo Silva, Carlos César, Marcos Rocha, Adílson e Luan.

Fábio Santos revela ter se sacrificado para ajudar o Atlético e até brinca com a situação: “Em São Paulo, tem o rodízio de placa. Aqui não há. A minha placa ainda não rodou (risos). Conversamos diariamente com a fisiologia e a preparação física. Não queremos exagerar, estourar, pois, às vezes, querendo ajudar demais pode atrapalhar. Realmente, o desgaste está grande. Não vou mentir. Estou cansado. Mas a vontade de ajudar é grande. No momento certo, o pessoal vai dar uma poupada, até porque temos grupo para isso".

No Horto, o meia Valdívia será titular pela primeira vez. Com as ausências de Otero e Cazares (nas seleções de Venezuela e Equador, respectivamente), o ex-jogador do Inter será o articulador de jogadas, ficando próximo de Robinho e Fred. Poupado contra o Palmeiras, Elias voltou a treinar com os companheiros e deve reforçar a equipe.

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.