Cidades

PF diz que Cariani usava nome de crianças pra comprar “daquele medicamento”

Renato Cariani é acusado de usar nome de crianças para comprar medicamentos e hormônios.

Publicado

em

Reprodução - Flow

Um novo capítulo sombrio se desdobra no caso Renato Cariani, revelado por um relatório da Polícia Federal relacionado à Operação Hinsberg.

O influenciador fitness, conhecido por sua presença nas redes sociais, é novamente implicado, desta vez em um esquema envolvendo o uso ilegal de nomes de crianças para a compra de hormônios de crescimento.

Conforme relata a CNN Brasil, Cariani teria se associado a uma amiga identificada como Elen Couto para obter receitas médicas e descontos na aquisição de Norditropin, popularmente conhecido como “GH”.

Em uma das trocas de mensagens detalhadas no relatório policial, Cariani solicita a Elen nomes de crianças para a compra do referido medicamento, dito por ele como “daquele medicamento”.

Elen prontamente se oferece para cadastrar os nomes, permitindo que o influencer adquira os medicamentos com desconto.

No entanto, quando Cariani busca mais informações sobre os cadastros realizados, Elen demonstra desconforto e afirma ter utilizado dados de seus alunos, revela a reportagem. Esse detalhe, registrado no relatório da Polícia Federal, sugere fortemente a falsidade das receitas utilizadas no esquema.

Nova investigação contra Renato Cariani

Embora a investigação federal sobre o tráfico de drogas, que levou à Operação Hinsberg, seja o foco principal, a interação entre Cariani e sua amiga não está diretamente ligada a este aspecto.

Os diálogos entre eles foram empregados para reforçar a conexão entre Cariani e Elen, especialmente considerando que a mulher já trabalhou com ele em uma empresa chamada Anidrol Produtos para Laboratórios.

Receba as notícias do Aqui de graça no seu celular. Inscreva-se.