Cidades

Professor é demitido acusado de humilhar aluno que vendia água com a mãe

Publicado

em

Reprodução - X

Um professor da rede Estadual de Educação do Espírito Santo, foi demitido após compartilhar no quadro uma “reflexão” que expunha a vida de um dos estudantes, que vende água de coco na praia com a família em Vitória (ES). A reflexão dizia. ”Será que é melhor ir para o calçadão de Jardim Camburi vender água de coco ou se esforçar um pouco mais nos estudos para ter um emprego melhor”

O caso aconteceu na última sexta-feira (15) mas o professor só foi demitido essa semana. Após a exposição no quadro, os alunos que estavam presentes tiraram foto. Em um vídeo que tem circulado nas redes sociais, a mãe do jovem disse ter se sentido “humilhada” e que seu trabalho foi menosprezado, ela foi orientada pela secretaria a realizar um boletim de ocorrência. 

‘Eu não estudei, mas acredito que seja um trabalho honesto e digno”, lamentou a mãe do estudante, que trabalha com o comércio há quase 4 anos. ”É através da água de coco que eu levo sustento para minha família, que eu pago minhas contas e sobrevivo.”

Em uma nota a Superintendência Regional de Educação informou que está acompanhando o caso e que não concorda com a postura do profissional. “Conforme Regional de Educação informou que está acompanhando o caso e que não concorda com a postura do profissional. “Conforme Regimento Comum das Escolas, as medidas administrativas já estão sendo adotadas pela unidade de ensino. O professor teve seu contrato cessado antecipadamente e a mãe do aluno está sendo apoiada para buscar seus direitos junto às autoridades policiais, via boletim de ocorrência. Nesta semana, a responsável pelo aluno será atendida pela equipe escolar para o apoio que for necessário”.

O Professor Marcos se pronunciou 

O professor, Marcos Lengrub se pronunciou através de um texto postado nas redes sociais, em que afirma que a reflexão era sobre a ”importância da educação e da sua relação com o trabalho na idade escolar”. 

”O meu intuito sempre foi conscientizar nossos adolescentes de que, por mais difícil que seja a realidade, por mais árduo que seja, por mais desigualdade que exista, a educação é o caminho para a transformação da nossa realidade.” Marcos diz que já esteve na mesma situação e que não tem nenhum preconceito com alunos que necessitam trabalhar nessa faixa etária.

Receba as notícias do Aqui de graça no seu celular. Inscreva-se.