Curiosidades

Vídeo de empresário “aparentemente embriagado” antes do acidente com Porsche é divulgado

mm

Publicado

em

Divulgação/TV Globo

O empresário Fernando Sastre de Andrade Filho, de 24 anos, é protagonista de um vídeo gravado momentos antes do acidente que resultou na morte do motorista de aplicativo Ornaldo Silva Viana, de 52 anos. O registro, feito por um celular em 31 de março, foi encaminhado ao Ministério Público de São Paulo e divulgado pelo G1.

No vídeo de 16 segundos, a namorada de Fernando, Giovanna Silva, pergunta provocativamente “você quer apanhar?”. Ele responde com uma proposta de jogo de sinuca. A cena mostra risos da namorada e de Juliana Simões, namorada do amigo de Fernando que filmava o momento. Juliana ri e pede para o empresário repetir sua intenção, que era jogar sinuca. Em seguida, a namorada de Fernando diz: “então vai você, que eu vou com eles”, fechando a porta do carro.

Fernando encontra-se atualmente sob prisão preventiva, sem prazo definido, em Tremembé, interior de São Paulo, aguardando o desenrolar do julgamento em que é réu por homicídio doloso qualificado e lesão corporal gravíssima. O acidente ocorreu quando seu Porsche colidiu com o veículo do motorista de aplicativo.

No dia do trágico incidente, Fernando estava acompanhado de sua namorada e de um casal de amigos, Juliana Simões e Marcus Vinicíus. Eles passaram por um bar, onde consumiram um total de R$620. Em seguida, dirigiram-se a uma casa de pôquer, onde Fernando ganhou R$1.000 e gastou mais R$400.

O advogado de Juliana e Marcus Vinicíus, José Roberto Soares Lourenço, destacou que seus clientes colaboraram com as autoridades desde o início das investigações, fornecendo mídias virtuais pertinentes ao caso. “Por esse motivo, foram entregues ao Ministério Público do Estado de São Paulo mídias virtuais que dizem respeito à data do ocorrido”. Diz o advogado. 

Em seus depoimentos, Juliana e Marcus afirmaram que Fernando consumiu bebidas alcoólicas naquela noite. Juliana disse que aconselhou o amigo a não dirigir por estar alterado.

Contrariando essas declarações, a namorada de Fernando afirmou que ele não ingeriu álcool, citando um acordo entre eles para que um não beba se o outro estiver dirigindo ou jogando pôquer, pois isso afeta a concentração.

Em entrevista ao Fantástico, Fernando reiterou não ter bebido naquela noite. Porém, imagens de uma câmera de segurança de um posto de gasolina próximo ao local do acidente mostram seu carro trafegando em alta velocidade em relação aos demais veículos.

De acordo com o Código Penal, suspeitos não têm obrigação de produzir provas contra si mesmos, mas testemunhas são obrigadas a relatar a verdade em depoimentos. O falso testemunho pode resultar em pena de 2 a 4 anos de reclusão, além de multa.

Receba as notícias do Aqui de graça no seu celular. Inscreva-se.