Esportes

Robinho completa dois meses preso com leitura, cursos e futebol

mm

Publicado

em

Foto: Olivier MORIN / AFP

Desde que chegou à “cadeia dos famosos”, o ex-jogador Robinho vem se dedicando a novos hábitos. O ex-atacante completa dois meses de prisão nesta terça-feira (21). Ele cumpre pena de nove anos de reclusão por estupro coletivo na Penitenciária de Tremembé, em São Paulo.

Robinho se juntou a um clube de leitura que movimenta 500 empréstimos de livros mensalmente, segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP). Além disso, o ex-atleta se inscreveu para uma vaga na Fundação Professor Doutor Manoel Pedro Pimentel (Funap), que oferece cursos e oficinas para detentos em São Paulo. Ele também ingressou em um curso profissionalizante de Eletrônica Básica, Rádio e TV do Instituto Universal Brasileiro (IUB), com aulas remotas e apostila.

Essas atividades podem permitir a Robinho assumir uma nova profissão no futuro, possibilitando sua entrada no mercado de eletrônica e consertos de rádio. Além disso, podem contribuir para a redução de sua pena. Conforme a Lei de Execuções Penais, a cada 12 horas de atividades escolares ou de trabalho, o condenado pode reduzir um dia de prisão.

Robinho também pratica atividades físicas em Tremembé, incluindo futebol. Outros prisioneiros o ajudaram a conseguir uma chuteira.

Relembre a condenação

Em 2017, a Justiça italiana condenou Robinho a nove anos de prisão por estuprar uma mulher albanesa em uma boate em Milão, junto a outros cinco homens. O crime ocorreu em 2013, quando o jogador defendia o Milan. 

Apesar da sentença, Robinho levava uma vida comum no Brasil. Ele residia em Santos (SP) e foi visto confraternizando com jogadores do Santos, clube onde ganhou projeção, em fevereiro de 2022. A Itália tentou pedir a extradição de Robinho, mas a Constituição brasileira não permite a extradição de brasileiros natos. 

O governo italiano então solicitou a homologação e cumprimento da sentença no Brasil. Em março de 2022, o STJ votou pela execução da pena de nove anos de prisão em regime fechado.