Conecte-se conosco

Notícias

Caso Bárbara Victória: compartilhamento de fotos da menina morta revolta família

Segundo advogada, dois registros do corpo da menina de 10 anos circulam nas redes sociais e em aplicativos de mensagem instantânea. “Não compartilhe”, pede ela.

mm

Publicado

em

Assassinato de Bárbara Victória, de 10 anos, gerou grande comoção | Foto: Arquivo Pessoal

Familiares da menina Bárbara Victória, de 10 anos, estão revoltados com o compartilhamento de fotos do corpo da menina, encontrada morta no início desta semana em uma área de mata próximo a um campo de futebol em Ribeirão das Neves, Região Metropolitana de Belo Horizonte. O caso gerou ampla repercussão e comoção.

A advogada da família, Aline Fernandez, transmitiu a revolta. “Não compartilhem fotos da Bárbara morta. É o mínimo de decência e compaixão com uma família que acabou de perder uma filha de 10 anos e está em extrema vulnerabilidade”, afirmou.

A advogada afirmou ter sido informada sobre a circulação das fotos da menina morta por Rogério, pai da Bárbara. “Estão compartilhando fotos em dois momentos. O primeiro quando o corpo foi encontrado no campo. O segundo quando o corpo estava sendo velado”, disse.

“É um absurdo uma pessoa ter a capacidade e a falta de bom senso em fotografar um corpo no estado em que o corpinho da Bárbara foi encontrado. É absurdo precisar trazer para pessoas adultas a reflexão de que essa prática é extremamente violadora”, destacou.

A advogada frisou, ainda, que o compartilhamento de fotos de pessoas mortas pode ser considerado crime por vilipêndio de cadáver, estabelecido no artigo 212 do Código Penal Brasileiro. A pena prevista é de detenção de um a três anos, além de multa.

Desaparecimento e assassinato

Bárbara deixou sua casa na tarde do último domingo (31) para comprar pães em uma padaria e não retornou mais. Câmeras de segurança registram o trajeto feito pela menina, encontrada morta nessa terça em uma área de mata próximo a um campo de futebol no bairro Pedra Branca.

O corpo dela estava com sinais de violência e enforcamento. A garota vestia uma camisa do Atlético, a mesma que usava quando desapareceu, mas estava sem as roupas de baixo. Conforme o relatório médico do Instituto Médico Legal (IML), asfixia foi a causa da morte.

A menina morava com a mãe, Luciene, o pai, Rogério, um irmão mais novo de 1 ano, uma irmã de 3 e um mais velho, de 15 anos. Segundo vizinhos, era ela quem ajudava a mãe a tomar conta dos mais novos.

O principal suspeito do crime foi encontrado morto nessa quarta-feira (3). Conforme a Polícia Civil, há indícios de suicídio. Antes da morte, foram colhidas amostras de DNA que vão investigar se, de fato, ele está envolvido no assassinato.

Continue lendo
Clique para comentar
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments